Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Quimeras e Utopias

Quimeras e Utopias

Vícios

Roo as unhas. Faço-o desde pequena. Recordo brincar no jardim lá de casa, roendo as unhas distraidamente e um vizinho, perante a minha imagem de roedora compulsiva, me dizer que tinha de parar de o fazer, garantindo que quando crescesse ia querer ter as unhas grandes para poder pintá-las. De forma desafiadora, garanti que isso nunca iria acontecer. Aquele meu hábito não se afigurava como um problema na altura e pensar a longo prazo, numa idade adulta ainda tão longínqua, era tarefa impossível.

 

A minha mãe experimentou técnicas que terminassem com o meu mau hábito, comprou vernizes que sabiam mal para me desincentivar à roedura. O sabor amargo do verniz deveria impedir-me de continuar a repetir a façanha, mas não o fez, até porque grande parte da destruição das minhas unhas não é feita pelos dentes. Uso as unhas para destruir unhas e só, em desespero, uso a dentição para ajudar à festa.

 

Chegou a adolescência e o vaticínio do vizinho começava a concretizar-se. As unhas desfiguradas nos meus dedos davam-me vergonha. Queria poder tê-las maiores, arranjá-las, pintá-las como a maioria das raparigas fazia.

 

Agora, adulta, consigo impor a minha vontade, mas só em pequenos períodos de tempo. Permito-me estar um par de meses sem roer as unhas, deixá-las crescer, pintá-las. Normalmente, no verão, a minha vaidade vence o vício e consigo ter as unhas com um aspeto apresentável. Mas é uma batalha diária, um constante contrariar de uma vontade primitiva de rasgar a unha, fazer sangrar a pele. Basta uma unha lascar um pouco para que um qualquer impulso interior me incite à destruição das restantes.

 

Há um certo consolo masoquista na dor de uma unha roída até ao sabugo. Aquela dor cortante, pequenas agulhas que parecem rasgar o dedo por dentro, acompanhada de um latejar que se torna o centro das atenções — dói, incomoda, mas é uma espécie de prova de vida. Uma dor que apazigua, um pequeno sofrimento físico que amaina uma qualquer ânsia que necessita de ser acalmada.

 

Pergunto-me se consigo trocar este pequeno prazer doloroso por uma contínua ânsia e por uma constante oposição a uma vontade interior intrínseca. Acho que não.

 

E o vício é isto. A cedência em troca de um prazer, mesmo que este seja considerado ilícito, incompreendido.

 

unhas.jpg

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub