Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Quimeras e Utopias

Quimeras e Utopias

A arte frustrada dos pequenos fascistas

 

Grandes desgraças históricas teriam sido evitadas se o mundo da arte não fosse tão elitista e seletivo.

Hitler sonhava ser pintor, considerava-se, acima de tudo um artista. A pintura era o seu refúgio, o seu sonho de vida. Se o menino não tivesse sido recusado duas vezes na academia de belas artes de Viena, talvez agora a história do século XX fosse radicalmente diferente.
Veríamos uns quadros medíocres do menino nuns quantos museus, talvez o menino com o tempo até se aprimorasse (já vi pinturas piores) e o holocausto, a guerra, seriam coisas remetidas à ficção, porque um artista feliz reprime ou transforma o facínora que por lá também habita. Todo o lado sombrio seria transportado para pinceladas melancólicas numa tela, o descontentamento diluído em tinta.

00-05-24-400px-Adolf_Hitler_-_Wien_Oper.jpg

Adolf Hitler, 1912

E, verdade seja dita, aquele estilo, aquele cabelinho lambido para o lado e o bigode (não posso categorizar porque só me surgem comparações de estilismo pubiano), estão melhor para um artista do que para um ditador.

Maldito júri da academia, malditos elitistas armados em bons...

Depois, temos o nosso pequeno exemplo nacional. O sonho do Dr. Sapo de Loiça era ser romancista. Uns quantos livros editados, sem nunca conseguir chegar à pujança de vendas do Dan Brown lusitano (nem pouco mais ou menos).

Não fossemos nós leitores tão esquisitos (até nem somos, papamos quase tudo), não fossem as editoras tão elitista, remetendo o Dr. Sapo de Loiça para edições de segunda categoria, e também nós escreveríamos uma história diferente nos anais da história do ano 2021 português.

Caros eruditos que têm o poder de decisão nas mãos, lembrem-se: mais vale um artista de meia tigela (com tantos que os há, mais um menos um), do que um aspirante a ditador.

Deixai os meninos serem escritores, pintores, escultores, pianistas, compositores, bailarinos, realizadores. A mediocridade artística será de somenos importância quando comparada com o estilhaçar de uma sociedade, a morte da empatia, a frustração transformada em fúria.

 

«Comungar» com a natureza

Cá por casa, somos apreciadores de fazer uns passeios de fim de semana pelas belezas naturais da região. As serras que nos circundam têm muito para explorar e nunca deixam de surpreender a cada nova visita, pois cada estação do ano pinta a paisagem com diferentes cores, chegam-nos diferentes cheiros, como se cada visita fosse a primeira.

 

Neste último fim de semana, que para nós foi prolongado, aproveitamos o bom tempo de segunda-feira para ir explorar a Serra de S. Macário. Pertencente ao concelho de S. Pedro do Sul, esta serra é de uma enorme beleza natural, pelas suas características geológicas, pelas pequenas aldeias perdidas na serra, vazias ou na eminência disso.

 

Mas neste post não pretendo falar do passeio à serra. Amanhã logo aqui colocarei algumas fotografias em jeito de reportagem do passeio. Neste post, pretendo apenas referir o pequeno incidente de comunhão com a natureza. 

 

Parámos a caminho da topo da serra para apreciar as vistas. Há já um bom bocado que não nos cruzávamos com nenhum outro carro. A serra parecia só nossa. Já estávamos longe das últimas povoações antes da subida e não se via vivalma, não se ouvia qualquer barulho, a não ser o frenesim de alguns pássaros e as nossas conversas de família.

 

Comecei a ficar com uma vontade extrema de urinar. Parece que, quando temos a perceção que não há nenhuma casa de banho próxima, a situação ainda se agudiza mais. É uma mistura explosiva entre a necessidade física e a pressão psicológica. 

 

O meu marido logo me incentivou a urinar atrás de uns arbustos rasteiros na beira da estrada. Não havia mal nenhum, era só um xixi, e além disso não se via ninguém que pudesse assistir à minha triste figura de «comunhão com a natureza». Não sou grande amante de urinar na natureza. Nesse setor, sou uma perfeita comodista. Mas quando a vontade aperta e por perto não há salvação possível, lá tem de ser.

 

Baixei-me atrás do arbusto, mas muito mal camuflada, pois a vegetação era rasteira, e lá comecei a aliviar-me. 

 

Pois... bastaram umas quantas pinguitas, para logo começar a ouvir um carro em aproximação. Para ali fiquei, de cócoras, de calças baixas, a rir que nem uma perdida, entre a vergonha e o meu sentido de oportunidade (ou falta dele) que me causava gargalhadas. Era um carro cheio de gente, com cinco passageiros, todos eles testemunhas da minha comunhão com a natureza. E logo ali, de enfiada, depois de mais de meia hora sem um único veículo à vista, passaram mais dois ou três carros. 

 

À memória veio de imediato este sketch da série belga «E se?». Não encontrei com legendas, mas dá para perceber. Quando estamos de calças na mão, não faltam espectadores para a nossa «desgraça». :)

 

 

 

Campos semeados de cartazes eleitorais

Aqui na minha rua, os últimos meses foram de obras: limpeza e pinturas de muros de proteção e pintura da sinalização no asfalto. Depois de meses (anos) em que tal obra já merecia (urgia) ser feita, pensei para mim que as eleições sempre serviam para alguma coisa. Para bem da terra, era bom era haver eleições de ano a ano, mais não fosse para que estas pequenas coisas não fossem guardadas para serem feitas dois meses antes das eleições. Era garantido que as obras andavam sempre a bom ritmo.


Mas depois lembrei-me dos cartazes. Não!! Não aguentaria tal suplício anual. É coisa normal haver cartazes eleitorais semeados por todo o lado em alturas de eleições, mas este ano, na minha santa terrinha, isto atingiu níveis endémicos. O raio dos cartazes parece que se reproduzem durante a noite, criam metáteses em locais improváveis. Se um dos partidos parece contido, apostando numa quantidade de cartazes aproximada à das eleições anteriores, outros dois partidos estão «on fire». De tanto ver as caras dos candidatos a fitarem-me a cada esquina, em cada rua, em cada beco, temo ter pesadelos com eles durante a noite. Como alívio desta tormenta visual (claramente excessiva e perturbadora da paisagem), chegam as alcunhas engraçadas que o meu filho arranjou para cada um daqueles rostos sorridentes e profissionais que nos perseguem diariamente no percurso para a escola (cara de fraldinha, cara de bebé, por exemplo).


É que se ao menos por aqui houvesse uns cartazes cómicos, estranhos, com frases deslocadas, ainda dava para uma pessoa se divertir, mas nada. Pelas minhas bandas ficaram-se pelas fotografias insípidas do costume e pelas frases feitas sem nada de memorável.


Resta-me largar umas gargalhadas com alguns dos exemplos que apanhei pela net de cartazes autárquicos deste nosso Portugal. É que há de tudo: falta de noção, erros ortográficos, piadas com os nomes das localidades que saem completamente ao lado e coisas de tão estranhas, chegam a roçar o assustador.

 

Piadas com um inexplicável teor fálico/sexual:

Autárquicas_1.jpg

Autárquicas_14.jpg

Autárquicas_17.jpg

 

Erros ortográficos grosseiros:

 

Autárquicas_2.jpg

Autárquicas_11.png

Autárquicas_18.jpg

 

Jogos de palavras parvos:

 

Autárquicas_8.jpg.png

Autarquicas_4.png

 

Cartazes em que o nome da terra ou do candidato (advertida ou inadvertidamente) atrapalha:

Autárquicas_3.jpg

Autárquicas_5.jpg

 

Autárquicas_7.jpg

Autárquicas_10.jpg.png

Autárquicas_9.png 

Autárquicas_16.jpg

 

E aqueles cartazes em que passa a sensação que o pessoal devia estar a fumar umas cenas estranhas quando achou que aquilo seria uma boa ideia. São os chamados cartazes WTF. 

 

Autárquicas_13jpg.jpg

Autárquicas_19.jpg

Dois dos muitos cartazes do «podes chamar-me Salomé». 

Autárquicas_15.jpg

???

Autárquicas_12.png.jpg

Um político que não deixa cair o estereótipo de político em saco roto. Começa a quebrar as promessas de campanha logo na campanha eleitoral. Assim dá gosto ver.

 

Autárquicas_psd_lx.jpg

Não é um cartaz, mas é uma ação de campanha. Fiquei entre o riso e o choro. :)

 

Autárquicas_6.jpg

 

Faço minhas as palavras do Olimpo. Tanto cartaz?! Chiça, porra que é demais.

A importância de se chamar […]

É sabido que uma parte dos escritores, portugueses e não só, usam pseudónimos, substituindo o seu nome do registo civil por um qualquer nome de sua escolha. As razões da mudança podem ser várias, da mais elementar: troca por um nome que seja mais «apelativo» e diferenciador; às mais complexas: criação de uma persona, de um alter-ego, ocultação da verdadeira identidade do escritor.

 

Neste campo dos pseudónimos, há aqueles escritores que tentam «entrar a matar» e optam por um qualquer nome que, de tão estranho, acabe por tornar a identificação do autor memorável. O «drama» terá começado com o Valter Hugo Mãe, mas mais recentemente a fasquia dos pseudónimos elevou-se (e de que maneira).

 

Primeiro dei de caras com o António Deus-Rosto, depois veio o jovem escritor Raul Minh’alma e ontem encontrei na internet o Afonso Noite-Luar.

 

Assim, para não matarem muito a cabeça, deixo aqui algumas sugestões de pseudónimos aos jovens escritores que estejam a pensar em entrar em grande no meio editorial. Estes nomes, juro, não deixarão ninguém ficar mal:

 

— Francisco Tu’almofada;

— Gertrudes Sol-Insolação;

— Manuel Caras de Bacalhau;

— Hugo Joel Primos em Terceiro Grau;

— Isabel Nuvens-Granizo;

— José Jesus-Tromba;

— António Alá-Face;

— João José Madrasta;

— Ivone Noss’almôndega.

O humor na luta

Se a expressão «Fora, Temer» é frase de ordem no Brasil da atualidade, palavras icónicas na luta contra o presidente, mostra de rejeição, demonstração de descontentamento, um funcionário de um cemitério resolveu inovar e, ao invés de mandar o presidente embora, resolveu convidá-lo a entrar. No cemitério, claro está.

E bastaram duas palavritas para eu soltar uma gargalhada. O humor, mesmo na luta, é sempre o melhor remédio.

 

Entra temer.jpg

 Imagem retirada daqui.

 

Monty Python’s world

O funcionamento do mundo está cheio de detalhes bizarros camuflados, na maioria das vezes, pelas vestes da normalidade, da banalidade. Mas há certas bizarrias que, por mais maquiagem que se lhes ponha em cima, permanecem absurdamente bizarras aos olhos de quem as quiser ver. Dou por mim a murmurar palavrões ao ler certas notícias, a questionar a verosimilhança da realidade onde me insiro, a verdade deste meu agora.

 

Neste último domingo, a Arábia Saudita foi eleita para a Comissão para os Direitos das Mulheres da ONU. A eleição deste país para esta comissão é de tal forma aberrante que roça o absurdo, a comédia hilariante. É um pouco como eleger um pedófilo para a comissão dos direitos das crianças ou um traficante de droga para a comissão da luta contra o tráfico de estupefacientes. Arábia Saudita e Direitos das mulheres são um paradoxo, a antítese um do outro, o que torna esta eleição uma aberração pública, uma anedota.

 

Num país onde as mulheres são consideradas um subproduto humano, um ser subserviente do homem, onde não podem conduzir, onde não podem estudar, trabalhar e viajar sem autorização de um homem, votar em todas as eleições, a escolha deste país para uma comissão que pretende acabar exatamente com esse tipo de abominações no que concerne os direitos das mulheres é, acima de tudo, uma autêntica descredibilização da ONU, transformando um organismo que deveria ser de relevância, numa anedota.

 

Relembro ainda que este mesmo país foi reeleito no ano passado, em outubro de 2016, para o conselho de direitos humanos da ONU. O poder de determinadas nações (poder económico, estratégico, político) acaba por ter mais peso, ser mais relevante do que qualquer facto, do que a evidência das atrocidades cometidas. Num país onde os ateus são considerados terroristas (com penas equivalente àqueles que praticam terrorismo na verdadeira aceção do termo), os direitos humanos são como um tapete onde a Arábia Saudita limpa os pés.

 

Quando vemos as urgências do mundo e quando percebemos as estratégias adotadas por organismos que deveriam zelar pela resolução eficaz dessas urgências, percebemos que isto está tudo mesmo fodido (pardon my french).

 

No fundo, estamos todos metidos dentro de um filme dos Monty Python. Que o absurdo nos possa, pelo menos, parecer comédia. Se rirmos, não dói tanto.

 

 Monty Python - A vida de Brian (stoning scene)

Prazeres abençoados

Os senhores da Vista Alegre resolveram criar uma imagem da nossa senhora de Fátima com a finalidade de levar as fieis mais céticas a conseguir ver a luz e a sentir, nas suas próprias casas, uma experiência divina.

 

N.S.Fátima.jpg

Imagem retirada do site da Vista Alegre.

 

Pessoalmente, considero a escolha de materiais infeliz, mas sendo a Vista Alegre a empresa que é, conhecida pelo uso da cerâmica e vidro, seria ignorância minha esperar a preferência por um material como a borracha ou o látex. Cada um faz o que pode com aquilo que tem.

 

O preço também é um pouco abusivo. Mesmo tratando-se de uma quase garantia de uma experiência transcendente ao mais alto nível, já vi por aí coisas mais bem modeladas, com um aspeto mais apelativo e a um preço mais razoável. Mas o negócio é o negócio, independentemente das crenças envolvidas.

 

Por isso, aos interessados, aqui fica uma dica de uma compra abençoada.

Inovações criminais

Porque nem só de bustos pitorescos vive o homem e porque a cabecinha hoje (e nos últimos dias) não dá para mais, hoje decidi dedicar o meu post ao último grito no que diz respeito à inovação criminal.

 

Dentro do crime é possível enveredar por vários esquemas diferentes para tentar extorquir umas boas quantias aos mais incautos. O sequestro é uma das opções. Rapta-se determinada pessoa e exige-se aos seus entes queridos mais próximos um resgate astronómico para que a mesma seja libertada e possa regressar a casa (de preferência viva).

 

No entanto, um grupo criminoso da Sardenha resolveu dar um toque de inovação à opção criminosa do sequestro, porque há sempre espaço para inovar, mesmo que o negócio empreendedor em questão seja na área do crime.

 

Porquê raptar alguém vivo (que grande trabalheira, a pessoa resiste, grita, esperneia, tem de se lhe dar de comer e beber, etc.) se se pode raptar alguém morto?

 

Este inovador grupo criminoso da Sardenha pretendia raptar o corpo do falecido fundador da Ferrari, Enzo Ferrari, falecido em 1988 com 90 anos. O corpo repousa num jazigo da família num cemitério próximo das instalações da fábrica da Ferrari e a intenção do grupo era retirá-lo de lá de forma a pedir um resgate à família ou mesmo à própria empresa Ferrari. Infelizmente, os intentos criminosos do grupo saíram gorados porque a polícia de Nuoro, quando levava a cabo umas investigações relacionadas com o tráfico de armas, deparou-se com o plano inovador da quadrilha, frustrando assim os seus intentos de ganhar umas massas.

 

E digo infelizmente porque, mesmo tratando-se de um crime, é impossível não extrapolar para o filme que este crime seria se pudesse ter sido levado a cabo. Uma quadrilha a passear pela cidade com um caixão na parte de trás de uma carrinha, as movimentações para esconder o caixão, caixão escada a cima, caixão escada a baixo, o telefonema para a família:

 

«Temos o Enzo. Queremos 3 milhões para o soltar.»

e a família, perplexa, pergunta: «O Enzo, qual Enzo? Aquele que morreu há 29 anos?»

«Sim. Esse. Queremos marcar a entrega contra pagamento dos 3 milhões. Tragam 4 homens para carregar o Enzo».

«O Enzo não vale 3 milhões. Está morto há décadas. Podem ficar com ele.»

 

Em suma, a inovação e o empreendedorismo são sempre bem-vindos, seja em que ramo de atividade for, mais não seja para me fazer deambular pela casa, imaginando filmes policiais em que a vítima é um cadáver. Uma pessoa sempre tem de se entreter com alguma coisa.

 

Enzo Ferrari.jpg

Enzo Ferrari. Fotografia retirada daqui.

Pais natais travestis

Como está aí a chegar a Páscoa e já começou o habitual bombardeamento achocolatado/amendoado nos supermercados, era tempo de me empenhar na aquisição dos típicos chocolates da quadra. Tinha de me antecipar antes que o meu filho se deixasse seduzir pelas carradas de ovos e coelhinhos de chocolate estrategicamente posicionadas em pirâmides atrativas logo à entrada dos supermercados.

 

Do fundo do armário ainda espreitavam três sobreviventes natalícios. Ora, como nada se perde e tudo se transforma, aqui vos apresento os meus pais natais travestis preparadinhos para a Páscoa.

 

Pais natal.jpg

 

Trump e o humor

Quando Trump foi eleito escrevi um texto sobre o lado positivo dessa eleição, na tentativa de aplacar os meus medos — pela frente teríamos anos de pura animação, de humor desbragado e, ao fim ao cabo, havendo humor, até a caminhada para o cadafalso pode ser transformada numa barrigada de riso.

 

Se alguns espetadores destas eleições pensaram que aquela pessoa que se comportava como um doido lunático durante a campanha era apenas uma personagem, uma persona criada para cativar os descontentes, que a eleição traria aos olhos de todos um homem mais sensato, ponderado e menos histriónico, essas pessoas enganaram-se redondamente. Trump não perdeu tempo em dar material para os humoristas trabalharem. E, desde o primeiro dia após a vitória, o humor, a comédia não tem tido mãos a medir para carregar para a fornalha toda a lenha que lhe tem sido atirada.

 

Para alguns, o humor tem sido a mais importante arma de oposição às políticas de Trump, a melhor forma de expor as contradições dos seus atos e palavras. Todavia, para outros, fazer humor com algo tão sério, acarreta o risco da minimização, da normalização e, também, da saturação. É ainda uma forma de resistência passiva, sem qualquer retorno prático. A fixação na figura apalhaçada de Trump pode levar para segundo plano aquilo que será o mais importante, as suas políticas.

 

Sendo assim, será o humor a melhor forma de resistência ou será esse mesmo humor uma forma de habituação a uma realidade disruptiva e com contornos alucinados?

 

Não tenho uma resposta e talvez seja um pouco das duas coisas — resistência e assimilação.

 

Mas, fugindo a estas dúvidas incontornáveis, o certo é que o humor está a ser a arma de eleição, independentemente de ser a correta ou não. As audiências do programa Saturday Night Live dispararam no último mês, com os seus quadros humorísticos a disseminaram-se um pouco por todo o mundo. Os programas de Stephen Colbert, Trevor Noah, John Oliver expõem afincadamente as gralhas e absurdos diários de Trump e do seu staff e o segmento «a closer look» de Seth Meyers do Late Night Show tornou-se uma espécie de forma alternativa para perceber as notícias recentes sem ver um canal noticioso.

 

E no fundo, é um pouco como Trevor Noah explicou no Today Show — observar a realidade nos E.U.A. na atualidade é um pouco como estar a ver em primeira mão um asteroide em forma de pénis a aproximar-se da terra — há o pânico, o terror, mas há a inevitável galhofa causada pela forma do pedregulho que irá aniquilar toda a gente.

 

Saturday Night Live - Melissa McCarthy como Sean Spicer

 

Today Show com Trevor Noah

 

 Late Night com Seth Meyers

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub