Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Quimeras e Utopias

Quimeras e Utopias

Libertem as mamas!

Como já referi noutros posts, não sou grande frequentadora das redes sociais. Uso apenas o Facebook, embora seja uma utilizadora esporádica. Assim, basta estar uns dias sem dar grande atenção àquilo para começar uma guerra cibernética e eu não saber de nada. E foi mais ou menos isso que aconteceu na semana passada. Entro eu no Facebook quando me deparo com um fenómeno de guerrilha, de protestos, de estratégias de retalização em preparação e uns quantos «amigos» com as contas bloqueadas temporariamente ou amuados depois de um ralhete do Zuckerberg.

 

E tudo começou de forma inocente. Após a morte de Mário Soares, um ou outro utilizador do Facebook postou uma foto de Soares com a sua esposa, na praia, cumprimentando uma turista holandesa em topless. A imagem tinha uma carga implícita que, a meu ver, era interessante. A foto era antiga e demonstrava um país que saía do jugo do conservadorismo da ditadura e entrava numa nova etapa que tornava possível uma fotografia daquelas.

Soares.jpg

(Fotografia retirada do site do Diário de Notícias)

 

Mas o Facebook não suporta mamas. Mais concretamente, o Facebook não suporta mamilos femininos. Basta uma denúncia de algum frustrado, um polícia dos costumes da atualidade, para logo o utilizador que se atreveu a mostrar tal coisa estar em muito maus lençóis.

 

E esta abominação às mamas estende-se a qualquer representação de seios femininos: uma imagem de uma pintura, de uma escultura, uma fotografia de um povo indígena meio despido ou uma singela fotografia de uma mãe a amamentar, tudo se enquadra dentro dos critérios de pornografia da rede social.

 

Mas esta censura ao mamilo é dual. Se o mamilo for masculino não há problema, mas qualquer nesga de um mamilo feminino gera censura garantida. O engraçado é que a mama em si, por maior que seja, por mais exposta que possa estar, não é um problema em si. Apenas aquele pedaço de pele — o mamilo — provoca tal estado de alvoroço aos senhores que controlam as redes sociais.

 

Disto, deixo apenas uns quantos apontamentos:

 

— A forma como o corpo feminino é observado, apesar do avanço dos tempos, ainda está muito ligada a certos dogmas religiosos. As principais religiões monoteístas, de origem patriarcal, sempre difundiram a imagem da mulher, do corpo feminino, ligada ao pecado, à sujidade. Por trás da forma como o corpo feminino é representado e observado na atualidade estão séculos de atribuições pejorativas à mulher (e de submissão ao homem);

 

— Mulheres heterossexuais e homens homossexuais também sentem atração por um peitoral exposto masculino, mas nem por isso essas imagens erotizas de peitorais masculinas são censuradas;

 

— É certo que a imagem da mulher é muito erotizada, mas não será a do homem também? No fim, todos os seres humanos têm um corpo, nascem despidos e, antes de qualquer erotização, o corpo é o que de mais natural existe em nós. É justificável esta censura a um pedaço de pele?

 

— Os seios femininos, antes de qualquer coisa, servem para alimentar recém-nascidos e isso, alimentar uma criança, não tem nada de erótico ou pornográfico;

 

— Há uma clara diferença entre anatomia, erotização e pornografia que deveria ser ressalvada;

 

— Há uma diferença entre os valores europeus e os valores estadunidenses. Talvez se justificasse uma rede social fundada na Europa, alicerçada em valores europeus, sem traços de conservadorismo barato;

 

— Numa época em que o corpo feminino é objetivado, é usado como promotor publicitário, em que serve para impulsionar vendas ou enaltecer a imagem a quem a ele se associa, não deixa de ser hilariante esta censura a uns quantos milímetros de pele.

 

Por isso, que se libertem as mamas —  seios, mamas, ( )  ( ), que os seios arejem, que os mamilos vejam a luz do dia. No final, é apenas um pequeno pedaço de pele, característica de todos os seres humanos (homens e mulheres).

 

Modigliani.png

Amadeo Modigliani

 

 

44 comentários

Comentar post

Pág. 1/2

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub