Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Quimeras e Utopias

Quimeras e Utopias

Vou para não ficar (excerto V)

Em pé, em cima das muralhas, descalço-me com todo a cuidado. Sinto o toque áspero das pedras na sola dos meus pés sujos. Tiro todos os farrapos que trago vestidos. Com um impulso desajeitado, atiro-os ao vento e aqueles panos gastos e descoloridos parecem pássaros gigantes desengonçados a tentar o voo pela primeira vez. O sol descreve um semicírculo descendente mesmo diante dos meus olhos. A minha sombra faz-me lembrar um corcunda invertido. Uma protuberância arredondada a marcar uma figura de extremidades esguias, quase esquecidas pela sombra. Inspiro fundo e sinto o pulsar deste sítio. Pedras postas sobre pedras há centenas de anos, partes de um puzzle há muito desfeito e de aparente irresolução, árvores que se agarram à terra cada dia com um pouco mais de força, o sibilar de um réptil por entre a vegetação, o vale num declínio perfeito. Um bando de pássaros cruza o céu numa coreografia síncrona. 

Por momentos, o impulso de erguer os calcanhares, fletir as pernas, abrir os braços dominou-me e o mantra do teu nome foi substituído por outro. «Salta. Salta. Salta.» Imaginei-me a sobrevoar o vale, o rebanho de ovelhas entre o arvoredo, subir num voo que rasgava o ar quente, me envolvia, contornar o rochedo em forma de cabeça de velho, o pequeno cemitério e deixar-me estar a boiar, dormente, nesta tarde quente, sentindo os avanços do sol no céu sem nuvens.
Estou completamente nua nas muralhas de uma aldeia histórica. Essa evidência, que irrompeu na minha mente como um pensamento sem importância, refreou-me os impulsos de voo. Caminharei para a loucura, mas sei que ainda lá não cheguei, caso contrário esta perceção de nudez nada provocaria em mim. Nem perceção seria.

 

(em Vou para não ficar, Sónia Pereira)