Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Quimeras e Utopias

Quimeras e Utopias

Tribunal da Relação do Porto e as viagens no tempo gratuitas

Quando há uns tempos, fiz uma investigação bibliográfica aprofundada para a minha tese de mestrado sobre os manuais de conduta para as mulheres (1900-1950) e deparei-me, como seria de esperar, com um sem fim de livros da época de cariz extremamente machista, contra a emancipação feminina, conservadores, embrulhados na infalível proteção religiosa, exultantes na sua fúria da defesa da «moral e bons costumes». A imagem da mulher, que exigia ser preservada a ferro e fogo, era a da mulher submissa, esposa dócil, dona de casa, um exemplo de virtudes e de subjugação, um ser que não ouve, não questiona, só obedece. Linhas e linhas disto, deste discurso repetido até à exaustão por certas personalidades da época que, vendo os avanços emancipatórios no exterior, temiam que tal coisa assolasse a bela pátria lusitana.


No entanto, a minha habituação a este discurso é de o ver escrito em livros antigos, com o acordo ortográfico de 1911, numa linguagem que me remetia ao passado. Um discurso ligado a páginas amarelecidas, livros de capa dura, palavras encerradas há décadas em estantes de bibliotecas. Tudo aquilo eram reminiscências de tempos idos que não tinham como nem porquê voltar.


Quando, este fim de semana, me deparo com um acórdão do Tribunal da Relação do Porto, do juiz desembargador Neto de Moura, relativo a um caso de violência doméstica, todas aquelas palavras, frase por frase, tal e qual como se estivesse a olhar para um livro com cem anos, estavam lá escarrapachadas: a violência desculpada pelo adultério, a gravidade do adultério feminino, a ofensa à honra do homem, as constantes referências à bíblia, tudo aquilo era uma viagem ao passado, uma viagem no tempo de forma gratuita.


Julgava eu que a distopia era opção literária, afinal também é recurso judicial. Admirável mundo novo com cheiro insuportável a mofo…

Tribunal porto.jpg

Excerto do acordão de 11/10/2017, do Tribunal da Relação do Porto, escrito pelo Juiz Desembargador Neto de Moura e assinado também pela Juiza Maria Luísa Abrantes. O acordão pode ser consultado na sua totalidade aqui

De salientar que é possível encontrar argumentação semelhante usada pelo Juiz Neto de Moura noutros acordãos redigidos por ele.

Campos semeados de cartazes eleitorais

Aqui na minha rua, os últimos meses foram de obras: limpeza e pinturas de muros de proteção e pintura da sinalização no asfalto. Depois de meses (anos) em que tal obra já merecia (urgia) ser feita, pensei para mim que as eleições sempre serviam para alguma coisa. Para bem da terra, era bom era haver eleições de ano a ano, mais não fosse para que estas pequenas coisas não fossem guardadas para serem feitas dois meses antes das eleições. Era garantido que as obras andavam sempre a bom ritmo.


Mas depois lembrei-me dos cartazes. Não!! Não aguentaria tal suplício anual. É coisa normal haver cartazes eleitorais semeados por todo o lado em alturas de eleições, mas este ano, na minha santa terrinha, isto atingiu níveis endémicos. O raio dos cartazes parece que se reproduzem durante a noite, criam metáteses em locais improváveis. Se um dos partidos parece contido, apostando numa quantidade de cartazes aproximada à das eleições anteriores, outros dois partidos estão «on fire». De tanto ver as caras dos candidatos a fitarem-me a cada esquina, em cada rua, em cada beco, temo ter pesadelos com eles durante a noite. Como alívio desta tormenta visual (claramente excessiva e perturbadora da paisagem), chegam as alcunhas engraçadas que o meu filho arranjou para cada um daqueles rostos sorridentes e profissionais que nos perseguem diariamente no percurso para a escola (cara de fraldinha, cara de bebé, por exemplo).


É que se ao menos por aqui houvesse uns cartazes cómicos, estranhos, com frases deslocadas, ainda dava para uma pessoa se divertir, mas nada. Pelas minhas bandas ficaram-se pelas fotografias insípidas do costume e pelas frases feitas sem nada de memorável.


Resta-me largar umas gargalhadas com alguns dos exemplos que apanhei pela net de cartazes autárquicos deste nosso Portugal. É que há de tudo: falta de noção, erros ortográficos, piadas com os nomes das localidades que saem completamente ao lado e coisas de tão estranhas, chegam a roçar o assustador.

 

Piadas com um inexplicável teor fálico/sexual:

Autárquicas_1.jpg

Autárquicas_14.jpg

Autárquicas_17.jpg

 

Erros ortográficos grosseiros:

 

Autárquicas_2.jpg

Autárquicas_11.png

Autárquicas_18.jpg

 

Jogos de palavras parvos:

 

Autárquicas_8.jpg.png

Autarquicas_4.png

 

Cartazes em que o nome da terra ou do candidato (advertida ou inadvertidamente) atrapalha:

Autárquicas_3.jpg

Autárquicas_5.jpg

 

Autárquicas_7.jpg

Autárquicas_10.jpg.png

Autárquicas_9.png 

Autárquicas_16.jpg

 

E aqueles cartazes em que passa a sensação que o pessoal devia estar a fumar umas cenas estranhas quando achou que aquilo seria uma boa ideia. São os chamados cartazes WTF. 

 

Autárquicas_13jpg.jpg

Autárquicas_19.jpg

Dois dos muitos cartazes do «podes chamar-me Salomé». 

Autárquicas_15.jpg

???

Autárquicas_12.png.jpg

Um político que não deixa cair o estereótipo de político em saco roto. Começa a quebrar as promessas de campanha logo na campanha eleitoral. Assim dá gosto ver.

 

Autárquicas_psd_lx.jpg

Não é um cartaz, mas é uma ação de campanha. Fiquei entre o riso e o choro. :)

 

Autárquicas_6.jpg

 

Faço minhas as palavras do Olimpo. Tanto cartaz?! Chiça, porra que é demais.

Mind the gap

Foi uma longa ausência, eu sei. Uma ausência imposta e, simultaneamente, autoinfligida. Se por um lado os meus deveres maternais me deixaram pouco tempo para a blogosfera, por outro lado a questão da relevância disto, deste espaço, também me pressionou à reflexão, ao afastamento.

 

Durante estes meses de verão nos quais raramente por aqui passei estive um mês com um reduzidíssimo acesso à internet. Férias na praia sem redes sociais, sem notícias online, sem email, sem tudo aquilo que hoje em dia se tornou indispensável para qualquer ser humano «normal». Nos primeiros dias dou por mim a pegar incessantemente no telemóvel, como uma drogadita em abstinência, a deslizar o dedo e a sentir um baque por perceber que aqueles eram movimentos inúteis. A imensidão cibernética estava-me vedada. Mas na mala esperavam os passatempos antiquados, mas que teriam de servir: uma generosa pilha de livros.

 

De entre outros, li dois livros de Svetlana Alexievich — Vozes de Chernobyl e A guerra não tem rosto de mulher (escreverei amanhã um outro texto sobre estas duas obras da autora bielorussa). Se hoje falei deles neste texto de regresso, não foi por pretender dissecar o conteúdo dos mesmos, mas pelo impacto destas leituras a seco. Com o mar a murmurejar em pano de fundo, com a areia entre os dedos dos pés ou deitada na cama à noite, nunca uma leitura me pareceu tão pura, tão clarividente como as leituras destas férias. O afastamento do caos informativo, dos casos diários que geram revolta e logo caiem no esquecimento, das opiniões diversas contraditórias, os dramas políticos nacionais e internacionais, deixou em mim um tremendo espaço vazio que permitiu fluir a leitura com uma profundidade nunca antes conseguida.

 

Lia os testemunhos de mulheres que combateram na segunda guerra mundial, as atrocidades contadas na primeira pessoa, o entusiasmo em poder ajudar a nação, emoção que não raras vezes redundava em morte ou dano permanente, e esta experiencia não foi apenas uma leitura, foi uma conversa com pessoas de um passado coletivo, uma conversa de uma lucidez atroz, mas poderosa, bela. Parava, olhava o mar, e tudo à minha volta confluía para aquelas palavras encerradas no livro, um movimento cósmico, universal, em direção à clarividência daquelas linhas, daqueles testemunhos.

 

Quando regressei à civilização, quando a internet surgiu como o copo de vinho cheio frente ao bêbedo em ressaca, dei por mim a questionar-me, a dissertar sobre a experiência de abstinência informativa: a informação é preciosa. Nunca me ouvirão fazer uma apologia da ignorância (embora haja uma quase inerente felicidade a ela associada). No entanto, será que haverá um ponto em que aquilo que consumimos deixa de ser informativo e passa a ser apenas mais do mesmo, redundância constante, um encher de chouriços que em nada contribuiu para o esclarecimento, mas antes entorpece, anestesia pela repetição, torna-nos trôpegos perante a realidade?

 

O meu filho via um qualquer programa infantil na televisão e veio contar-me que os dodôs, já extintos, engoliam pedras (na goela) para ajudar à digestão. Daí nasceu este paralelismo básico, uma metáfora elementar, mas ainda assim válida: teremos nós de engolir tamanha quantidade de pedras para conseguirmos «comer», pelo meio, alguma informação de jeito? E não estará tal quantidade de pedregulhos a pesar-nos em demasia, a atrofiar a forma como passamos a fruir a informação, novas leituras, o mundo que nos rodeia num geral?

 

Talvez uns passos atrás, um ligeiro afastamento nos permita ver esta nossa realidade de agora com maior nitidez, inserida num todo e não excluída e vendida como única, pertinente, exclusiva.

 

Amanhã regressarei com Svetlana. Estes dois livros merecem mais do que uma pequena referência fugaz num post de regresso à blogosfera.

Presságios do inferno na terra

Apesar de ser ainda manhã, a claridade da luz do sol filtrada por nuvens altas de fumo projeta sombras oblíquas fazendo crer que o crepúsculo chegou, que a luz do dia terminará em breve. A ambiência alaranjada, os trovões que soam ao longe, os fiapos de cinza que voam no ar como uma neve estival como que formam a descrição inicial de um romance de horror, uma história fantástica descrita pelos hábeis dedos de Allan Poe. A luz, as sombras deste dia, são como um prenúncio do mal que há de vir, porque a idade, as dezenas de verões vividos nesta terra, ensinaram-me que esta luz, esta claridade, é irremediavelmente um presságio, um inferno em aproximação. Não há vento forte acompanhado de calor que não degenere, não há verão que não cheire a queimado.

 

Este terror que este fim de semana chegou a todos os cantos do país, que extravasou fronteiras, que gerou comoção sem igual, é na realidade um pão nosso de cada verão para quem vive em localidades densamente florestadas. Isto que vos assusta, esta aparente novidade da morte pelas chamas, é para mim, tristemente, um sinónimo de verão. As lembranças deste medo, deste cheiro a fumo, das folhas carbonizadas de eucalipto a bailarem no ar, tudo isto me acompanha desde a infância. Recordo, ainda catraia, sair para o quintal num dia muito quente. O céu estava tão carregado de fumo, que o sol podia ser olhado de frente, sob o filtro negro e lá estava aquele disco alaranjado, como uma lua cor de laranja em plena canícula. Ao longe via-se a linha de fogo comer as árvores pela serra acima. Recordo ainda um dia em que a sirene dos bombeiros gemeu, em lamento, durante toda uma tarde. 16 bombeiros tinham perdido a vida a combater um fogo numa localidade próxima e aquele lamento sonoro foi como o choro coletivo. Aquele som das sirenes continua a gemer dentro de mim, a cada dia quente, a cada rajada de vento estival, a cada pequeno indício de fumo que me chegue ao nariz e aquele dia de há três décadas permanece vivo, viaja até à atualidade a cada novo incêndio.

 

Nada disto é novo, nada disto é culpa exclusiva de uns ou de outros, nada disto é sequer de fácil resolução. Somos dos países do sul da Europa com menor densidade florestal e, em contraste, com maior área ardida e ignições de incêndios. A questão prende-se com várias razões e só uma solução drástica poderá mudar que o verão seja sinónimo de cheiro a queimado. No entanto, mesmo a mais drástica das soluções só trará efeitos práticos visíveis a longo prazo. O meu lado realista diz-me que este inferno na terra, que me acompanha desde a infância, será coisa a que terei de me habituar e que me acompanhará até morrer e talvez com um crescendo de gravidade, dado as alterações climáticas potenciarem esta fúria do fogo.

 

Temos uma área florestal quase totalmente na mão de privados, muito parcelada, propriedade de  diversas pessoas diferentes. Recordo que os meus bisavós e avós consideravam que comprar pinhais (que por esta altura são eucaliptais) era uma forma de aplicar dinheiro e de mostrar ter-se posses. Uma herança por estas bandas inclui sempre uma bela quantidade de área florestal dividida em retalhos por zonas diferentes. Para quem herda este tipo de terrenos, é muitas vezes difícil sequer encontrar as extremas do seu próprio pinhal e os dividendos que dali pode tirar são tão escassos que não pagam sequer a limpeza do terreno. Depois, temos o forte lobby da celulose que, ao longo dos anos, transformou a diversidade florestal numa quase monocultura do eucalipto, árvore fósforo, espécie não autóctone. Por estes lados, junto ao rio, aparece também em abundância a acácia-austrália, árvore de bela floração, que pinta as margens de amarelo, mas também ela não autóctone, invasora. Em suma, não havendo qualquer ordenamento florestal, estando a floresta muito parcelada e em mãos privadas, apostando-se na monocultura e não se olhando à prevenção através da cultura de árvores «corta-fogo», e não havendo limpeza de mato, nem mesmo nas cercanias das habitações, o que temos junto às nossas casas é um barril de pólvora. Como li ontem numa rede social, viver junto a uma floresta é como ir dormir a sesta num paiol onde os trabalhadores fumam uns cigarritos e atiram as beatas para o chão.  Um verão sem catástrofe florestal é pura sorte, não é normalidade. Normal, normal, tendo em conta as características da nossa floresta, é isto. Se a este paiol se juntar as ações da natureza (trovoadas, ventos fortes), a mão criminosa e o desleixo, a explosão é inevitável, recorrente, tornando-se normalidade.

 

Quando entro em zonas densamente florestadas, quando passeio pelo meu concelho e a estrada é ladeada por eucaliptais a perder de vista, esta comunhão com a natureza deveria carregar consigo uma sensação de liberdade, mas é precisamente o inverso. A vivência nesta terra mudou significados, transmutou sentimentos básicos e a comunhão com a natureza, o cheiro das árvores, o vislumbre da mata a perder de vista, é opressiva, faz germinar o pânico, potencia o medo. E este sentido enviesado das coisas é, mais do que tudo o resto, profundamente triste.

Filmagens Quixotescas

A propósito da rodagem do filme «Quem matou D. Quixote» de Terry Gilliam no Convento de Cristo em Tomar e dos supostos danos causados durante as filmagens, ocorreu-me uma história que circulava quando, há uns valentes anos, trabalhava na área do cinema.

 

É certo e sabido que as aspirações de um realizador nem sempre se coadunam com o espaço «real» escolhido para a rodagem, daí muitas vezes ser preferível usar-se um cenário em estúdio a comprometer-se um espaço arquitetónico existente. Esta seleção dos espaços é uma dança a três: um realizador com imagens bem definidas na cabeça e que nem sempre mede as implicações da aplicação prática do seu projeto, a equipa de produção que sabe bem o aparato que uma rodagem envolve e todas as consequências (legais, por exemplo) de quebrar um contrato de cedência de espaço por danos causados e, por último, a instituição, empresa, particular, que cedeu o espaço sem ter, na maioria das vezes, bem consciência daquilo que está envolvido numa filmagem. Recordo, dos meus tempos cinematográficos, de haver uma completa estupefação por parte de quem alugava ou cedia espaços para filmagem, quando uma equipa lá aterrava carregada de material. Na cabeça de algumas pessoas, a filmagem envolveria uma ou duas pessoas com umas câmaras debaixo do braço e uns quantos atores. Quando o material começava a sair das carrinhas e camiões era ver os queixos caídos e os pensamentos a inundarem aquelas cabeças: «vão-me esfrangalhar o espaço com esta cangalhada toda.» Na realidade, é quase impossível tamanha quantidade de material e pessoas não implicar algum tipo de dano. Por muito cuidado que haja, é sempre «normal» alguma coisa partir, o chão ficar riscado, a pintura ressentida, algum vidro partido.

 

Mas de regresso à tal história, quando se falava em filmar em monumentos históricos, vinha sempre à baila uma história engraçada que nunca consegui aferir se era verdadeira ou apenas um daqueles mitos da profissão. Contava-se que um dos grandes realizadores da nossa praça (já falecido, mas um ícone cinematográfico) estava num palácio onde iria fazer uma filmagem, a explicar ao diretor de fotografia como queria filmar uma determinada cena. Na sala onde estava, explicava o movimento de câmara pretendido, enquanto ia andando para trás, imitando o movimento de um travelling (movimento de câmara sobre carris), até chegar a uma das paredes da divisão: a câmara vem, vem, esta parede é para sair, continuas a filmar, continuas.

 

Na altura, ríamos da tarefa que aquela equipa de produção tivera para explicar ao afamado realizador que «aquela parede» não podia sair. Na cabeça dele, a imagem perfeita não conhecia barreiras arquitetónicas, não poderia ser parada por uma parede. No mundo real, uma parede de um palácio centenário não poderia ser metida a baixo.

 

De regresso à notícia, a produtora portuguesa envolvida na rodagem do filme de Gilliam reconhece que a filmagem causou pequenos danos, que foram contabilizados. Algumas árvores foram cortadas com a devida autorização (supostamente não eram árvores autóctones e podiam ser retiradas e depois substituídas), algumas telhas foram partidas, algumas pedras foram danificadas e uma fogueira de grandes proporções foi feita com a presença dos bombeiros e devidamente autorizada em contrato.

 

Não duvido que, dentro do que foi contratado e daquilo que é o «normal» desenvolvimento de uma filmagem, a rodagem em questão tenha corrido dentro dos conformes. A questão aqui é outra: até que ponto é legitimo dar-se autorização (o organismo competente para tal) para uma filmagem desta grandeza dentro de um monumento património universal da Unesco?

 

Houve ingenuidade do organismo responsável que não compreendeu os reais meios envolvidos? Não houve ingenuidade, mas apenas displicência motivada pelo valor remuneratório generoso envolvido?

 

Um monumento destes não pode ser substituído se danos graves lhe forem infligidos e talvez a cautela devesse ser a filosofia a seguir no que à autorizações de filmagens e eventos neste tipo de espaços diz respeito. Havendo dinheiro, qualquer monumento poderá ser parcialmente replicado em estúdio. Já o original, se for gravemente danificado, só uma viagem no tempo o poderá reparar dentro das conformidades da época.

 

Covento de cirsto.jpg

Convento de Cristo em Tomar. imagem retirada daqui.

Feminismos

Já há uns tempos que queria escrever um texto sobre o feminismo, embora já várias vezes tenha-me focado no tema, direta ou indiretamente, noutros posts. Decidi que seria hoje devido a um texto que li ontem.

 

Pegando na definição da palavra feminismo — Movimento ideológico que preconiza a ampliação legal dos direitos civis e políticos da mulher ou a igualdade dos direitos dela aos do homem (dicionário Priberam) — parece-me lógico que qualquer pessoa na nossa sociedade ocidental, seja homem ou mulher, se possa considerar feminista. Aquilo que está em causa é a igualdade de direitos entre homens e mulheres, direitos e deveres semelhantes em todas as áreas. No entanto, o termo feminismo parece ter ganhado (talvez mesmo desde o início da sua aplicação) uma conotação pejorativa, ligada a um certo extremismo de palavras e ações, o que em nada favorece aquilo que deveria ser a verdadeira luta feminista.

 

Ora bem, ontem lia um texto de um amigo que alertava para um outro texto numa plataforma de divulgação feminista (capazes.pt). Esta plataforma é conhecida pela divulgação de informação de carácter feminista, mas lá pelo meio, volta e não volta, aparecem uns textos que, ao invés de promoverem aquilo que o feminismo realmente é, optam pela via dos extremos, a via da superiorização feminina. É de salientar que esta proclamação da superioridade feminina não se encaixa no conceito de feminismo. Para essa superiorização nasceu uma nova palavra há uns anos — femismo — que entra em oposição ao machismo (superiorização masculina).

 

Assim, no texto de Suellen Menezes «Feminismo é outra palavra para justiça», a autora refere a necessidade de suspensão, através da via democrática, do poder de voto do homem branco, sendo essa a única maneira de trazer, em poucos anos, a tão ansiada igualdade de géneros. Numa visão distópica, a autora encontra na proibição, numa conceção algo fascista, eugénica, a forma de chegar a um equilíbrio social entre homens e mulheres.

 

O voto dos homens brancos reforça o sistema que confere todos os privilégios aos homens brancos. Quem se surpreende que isso aconteça? E quem considera isso “justo”?

A suspensão temporária do poder do voto dos homens brancos é a única chance de produzir uma real alteração no mundo no espaço de apenas uma geração.

Excerto do texto «feminismo é outra palavra para justiça» de Suellen Menezes, retirado do site capazes.pt.

 

Não referindo sequer a grave falha argumentativa (se são os homens brancos que «mandam nisto tudo», como raio conseguiriam as mulheres impor de forma democrática um sistema eleitoral que os excluísse?!), o texto, tido e proclamado como feminista, é em tudo perigoso para o próprio movimento feminista. Não é isto que eu quero, enquanto feminista, que achem que eu defendo. Nunca uma sociedade igualitária poderia nascer de a desigualdade social de se expressar opiniões (através do voto, por exemplo), nunca a equidade poderá brotar do rebaixamento, da submissão de um género a outro. Se, pela frente, ainda estarão anos de batalha por uma sociedade justa para ambos os sexos, que essa batalha seja sempre feita com dignidade, em moldes racionais, democráticos e que nunca nos passe pela cabeça fazer aos outros aquilo que não gostamos que nos façam a nós.

 

Como em todos os movimentos ideológicos existem excessos, extremismos que prejudicam o conceito base ideológico (não faltam exemplos, mesmo cá em Portugal, de manifestações extremistas que apenas serviram para ridicularizar o movimento e o conceito de feminismo).

 

Neste caso, dentro do próprio movimento, as próprias mulheres têm de se distanciar deste tipo de fundamentalismos, de uma certa misandria manifestada por algumas mulheres, excluir o que não dignifica, mas ridiculariza, mostrar que há uma clara diferença entre feminismo e femismo.

A lógica não mora aqui

O presidente dos E.U.A, Donald Trump, fez uma visita de estado à Arábia Saudita. Nessa visita, foi assinado um negócio de venda de armamento aos sauditas no «módico» valor de 110 mil milhões de dólares, o maior negócio de venda de armamento da história dos E.U.A.

 

Um dos principais focos da campanha eleitoral de Trump e da sua agenda enquanto presidente dos E.U.A. é a luta contra o terrorismo (islâmico, entenda-se). Também em Riade, o discurso se focou na luta contra o extremismo islâmico, na união do mundo islâmico contra o jihadismo, o fundamentalismo religioso.

 

Num paradoxo, a Arábia Saudita é, enquanto país, governada sob a égide do extremismo religioso. De tradição muçulmana wahabita, ali nasceram os principais preceitos do que hoje caracterizará o extremismo religioso e ainda hoje o país financia e dissemina além portas uma doutrina fundamentalista, fonte onde bebem muitos dos grupos jihadistas e que serve de inspiração para muitos lobos solitários além-fronteiras.

 

No que ao armamento diz respeito, a Arábia Saudita tem forte intervenção na guerra do Iémen, estando o país praticamente dizimado, a população dominada pela fome e pela cólera, no que, por parte da Arábia Saudita, nada mais será do que um combate contra o apoio dado pelo Irão aos rebeldes no Iémen.

 

Como refere Mario Giro, vice-ministro dos negócios estrangeiros italiano, em entrevista ao Diário de Notícias, aquando questionado sobre a possibilidade de vivermos um choque de civilizações:

 

Não estamos a viver um choque de civilizações. Estamos a assistir a um choque dentro de uma civilização. Existe uma crise no mundo islâmico. É uma crise que começou há mais de 20 anos e que, com certeza, afeta também a nossa civilização. Até porque somos a civilização mais próxima da civilização islâmica. Isto pode ser visto agora com o que se passa na Síria e noutros conflitos no Médio Oriente. A narrativa adotada pelos extremistas para atrair as gerações jovens contraria a narrativa tradicional do islão. Trata-se de uma batalha pelo poder. Porque quem controlar o mundo muçulmano controlará 1500 milhões de pessoas. É um problema político.

Excerto da entrevista de Mario Giro ao Diário de Notícias, retirada daqui.

 

Após mais um atentado numa cidade europeia, desta vez em Manchester, é benéfico ler a entrevista de Giro. Nada disto terá a ver com religião. A violência, que na atualidade se transformou em pequenos ataques de lobos solitário, mais frequentes, mas menos mortíferos, não está de todo ligada à religião. O que está em causa é o poder, o domínio de uma civilização, de um território.

 

Mas enquanto o dinheiro falar mais alto, enquanto os negócios, a venda de armamento, tiverem importância maior do que a pacificação de uma região, enquanto o diálogo com os extremistas for privilegiado em detrimento do diálogo com os moderados, enquanto reinarem jogos de poder pelo domínio de uma região, será mais do que certo que a violência persistirá.

 

A lógica morreu. Há muito foi substituída pelo doce cheiro do dinheiro e pela perigosa atração do poder.

 

Artigos relacionados:

https://www.publico.pt/2017/05/21/mundo/noticia/alguem-falou-em-guerra-no-iemen-trump-nao-1772983

http://brasil.elpais.com/brasil/2017/05/20/internacional/1495269138_611412.html

 

 

Svetlana — a mulher que morrerá duas vezes

Ontem, ainda digerindo a notícia da morte de Chris Cornell, surge a notícia da morte da escritora bielorussa Svetlana Alexievitch, prémio Nobel da Literatura em 2015. A notícia apareceu nas versões online dos principais meios de comunicação social nacionais, inicialmente sem explicar as causas da morte da escritora, referindo apenas que a notícia tinha sido avançada pela nova ministra da cultura francesa (que antes era co-diretora da casa editorial que editava Svetlana em França).

 

Fiquei triste, remoendo por dentro pela injustiça de uma pessoa ainda jovem, tão inteligente, ter partido antecipadamente. Mas o meu luto por Svetlana durou pouco. Minutos depois surgem várias notícias a informar que a notícia avançada da morte da escritora afinal era falsa.

 

Reconstruindo a situação, um jornalista italiano, Tommasso Debenedetti, conhecido por criar contas falsa de Twitter precisamente para difundir notícias falsas, usando nomes de pessoas conhecidas, resolveu criar uma conta em nome da nova ministra da cultura francesa. Através dessa conta anunciou a morte da escritora bielorussa. O jornal francês Le Figaro, tomando como referência o tweet dessa conta falsa, fez o anúncio da morte de Svetlana na sua página online e isso bastou para que centenas de outros jornais e meios de comunicação na Europa difundissem a notícia sem qualquer tipo de verificação prévia, tomando como única referência informativa o tweet da suposta conta da ministra e a notícia do Le Figaro.

 

As notícias tornaram-se produto de consumo rápido e a difusão de notícias online veio trazer uma urgência noticiosa que antes não existia. Se algo acontece na Alemanha ou em qualquer outro sítio do mundo, isso tem de ser noticiado imediatamente, porque um jornal português não quererá que o seu leitor vá gastar o precioso click num jornal estrangeiro, quando o pode gastar no seu jornal, mesmo que isso comprometa a qualidade da informação dada. As notícias difundem-se sem qualquer investigação prévia, apenas porque a velocidade, a rapidez informativa tornou-se fator de maior relevância do que o rigor, a qualidade da informação dada.

 

Não teria sido muito complicado confirmar que Svetlana estava em Seul, a dar conferências, vivinha da silva. No entanto, nenhum meio de comunicação quis gastar cinco minutos que fosse a fazer uma confirmação simples.

 

Não sei que motivações movem o jornalista italiano Debenedetti, mas as suas farsas talvez tenham como finalidade uma espécie de alerta para a forma enviesada como a informação é tratada e difundida hoje em dia. Um alerta àqueles que tem o poder da informação na mão, mostrando-lhes como podem ser tão facilmente ludibriados, apesar da repetição da armadilha. No entanto, acho que é uma batalha perdida. Parece-me evidente que o rigor já há muito foi substituído pela urgência, pela necessidade de atrair a visualização do leitor transformada em dividendos publicitários.

 

Para a próxima, para não causarem tamanho transtorno e comoção, sugiro que «matem» alguém odioso. Sempre uma pessoa faz uma pequena festa, mesmo que seja felicidade de pouca dura.

Overdose noticiosa

No Brasil, o presidente Temer foi gravado a autorizar um suborno a Eduardo Cunha, em troca do seu silêncio. Eduardo Cunha está preso no âmbito da operação Lava Jato e o dinheiro supostamente serviria para comprar o seu silêncio na prisão. O mesmo empresário (Joesley Batista, da empresa JBS, uma das maiores produtoras de carne do mundo) que denunciou Temer através da referida gravação, denunciou ainda Aécio Neves, presidente do PSDB, denunciando que este lhe pedira dois milhões de reais. As entregas dos referidos montantes a terceiros envolvidos nos esquemas (compra do silêncio de Cunha e a entrega do montante a Aécio) foram filmadas pela Polícia Federal Brasileira.

 

Nos E.U.A., a política interna mais parece uma má novela mexicana. Cada dia chega ao conhecimento público mais uma acha para a fogueira do escândalo. O diretor do FBI foi demitido pelo presidente Trump numa altura em que eram investigadas por Comey, diretor do FBI, supostas ligações da campanha presidencial de Trump à Rússia. No dia seguinte ao despedimento difícil de justificar, Trump encontra-se na sala oval com o embaixador russo e com o ministro dos negócios estrangeiros russo, Sergei Lavrov.  Segundo noticia o jornal Washington Post, nesta mesma reunião, o presidente Trump terá revelado informação confidencial aos dois convidados russos, informação essa fornecida por um aliado dos E.U.A. e altamente sensível. Ainda na saga de Comey, o presidente terá repetidas vezes pedido a lealdade do diretor do FBI, sempre recusada por este que apenas lhe ofereceu a sua honestidade. Como última achega à já incendiada situação, O New York Times veio revelar um memorando do diretor Comey, de fevereiro, onde este descreveu uma reunião que teve a sós com o presidente Trump e onde este lhe pediu que encerrasse a investigação a Michael Flynn, na altura assessor demissionário do presidente para a segurança nacional. É de recordar que Flynn foi afastado depois de descobertas as suas estreitas relações com figuras proeminentes russas e da natureza das suas conversas com o embaixador russo.

Por terras do tio Sam já se começa a falar na «I word», pois a acusação de obstrução à justiça começa a ganhar força e o impeachment do presidente não parece coisa assim tão descabida de se imaginar.

 

Na Itália, a polícia revelou a detenção de uma rede de mafiosos que durante quase uma década explorou um centro de refugiados em Lampedusa, com a conivência de uma associação católica que oficialmente geria o centro de acolhimento de migrantes e refugiados. Através do fornecimento de serviços ao centro, como refeições, serviço de lavandaria, foram desviados milhares de euros que deveriam ser destinados aos refugiados e que acabaram nas mãos da máfia e na conta do padre que era o diretor da associação católica. O financiamento estatal que deveria providenciar uma vida digna (alojamento e alimentação digna) aos milhares de refugiados que estiveram neste centro, foram assim desviados durante anos gerando lucros astronómicos àqueles que não se importam de lucrar com a miséria alheia.

 

No México foi assassinado a tiro Javier Valdez, reputado jornalista conhecido pelas suas investigações na área do narcotráfico e violência. Só neste ano de 2017, já pereceram assassinados seis jornalistas, tornando a liberdade de imprensa coisa perigosa naquele país.

 

Numa visita de Erdogan aos Estados Unidos da América, guardas do presidente turco agrediram ao murro e pontapé manifestantes pacíficos curdos que se manifestavam frente à embaixada turca nos E.U.A. Ficaram doze feridos destas agressões em plena rua e uma possível impunidade devido à imunidade diplomática dos agressores. Não basta a Erdogan silenciar os seus opositores no seu país, parece não ter problema em o fazer mesmo em solo estrangeiro.

 

Por cá, a CM TV e o jornal Correio da Manhã resolveram divulgar um vídeo de uma suposta violação a uma jovem num autocarro no Porto, durante a queima das fitas. À justiça caberá descobrir se houve crime ou não, mas aos jornalistas caberia, assim se esperava, um pouco de bom senso. A divulgação e incitamento aos leitores para verem o vídeo em questão é de um baixo nível jornalístico sem precedentes. A busca pelo click, pela venda de um jornal, pela audiência televisiva justificará tudo? E poder-se-á chamar sequer jornalismo a este tipo de opções editoriais? E não serão as opções deste «órgão de comunicação» (um dos jornais mais lidos do páis) um reflexo da nossa sociedade, enquanto leitores, espetadores?

 

Olhando para estas notícias, ninguém se poderá queixar de marasmo noticioso. O mundo é uma novela e aguardam-se as cenas do próximo episódio.

 

Se não gostarem de mim, como eu gostarei?

Ainda no rescaldo da vitória de Portugal no Festival da Eurovisão da canção e de toda a comoção que se lhe seguiu (e que persistirá por mais alguns dias, certamente), dei por mim a tentar racionalizar esta euforia, a tentar desconstruir e perceber esta alegria generalizada.

 

No fundo, pressinto que nada disto teve a ver com música e esta minha observação não tem como finalidade desprestigiar ou menorizar a qualidade da música vencedora (como já referi noutro post, gosto da música, gosto do intérprete). Observando de perto, à lupa, aquela vitória foi como o recuperar de uma humilhação. Décadas a ver os «12 points» a passarem e a nunca cair no «nosso cesto», a derrota, os últimos lugares a surgirem como inevitabilidade. Aprendemos a desprezar o evento em questão. A fraca qualidade, a transformação de um espetáculo musical num espetáculo carnavalesco, ajudaram a esse desprezo, mas ainda residia aquela frustração recalcada, aquela moinha que roía lá dentro, coisa típica de quem é votado persistentemente ao desprezo.

 

Como li num mural de um amigo facebookiano, o nosso percurso neste festival assemelhou-se a um daqueles filmes em que o protagonista passa a história a levar porrada, levantando-se, sendo derrubado, persistindo num treino incansável até chegarmos ao clímax do filme, onde o nosso herói derrota quem o humilhou com um enxerto de porrada épico. Não nos limitámos a ganhar depois de cinco décadas de desprezo, fizemo-lo de forma épica.

 

Tomando-me como cobaia nesta minha pseudoanálise antropológica, apesar de considerar o festival uma espécie de carro alegórico do espetáculo televisivo, uma futilidade básica na área musical, ver os 12 pontos serem-nos atribuídos pelos júris de vários países e pelo voto popular, ver a bandeira nacional destacada num primeiro lugar (e atenção, tenho-me como a perfeita antítese do pensamento nacionalista, patriótico), ver aquilo foi estranhamente especial, uma espécie de catarse. Foi o enxerto de porrada épico, foi o aplacação do despeito, de uma certa frustração. Como se uma qualquer justiça «kármica» tivesse sido reposta, porque, no fundo, há sempre alguma metafísica metida ao barulho, mesmo na vivência do ser mais racional. A partir de agora será possível remeter o evento para a insignificância que lhe é devida, a partir de agora é possível ignorar porque a frustração já lá não está.

 

Observando agora o fenómeno de um ponto de vista mais alargado, voando e olhando de cima, a euforia generalizada por esta vitória musical vem juntar-se a um grupo de recentes fenómenos positivos: vitória num campeonato de futebol europeu, distinções várias na área do turismo, um aumento inequívoco de turistas no nosso país. E a isto juntam-se mais outras pequenas vitórias, distinções em diferentes áreas, etc.

 

Num país onde o culto do coitadinho, do desgraçadinho, da vítima, da humildade em jeito de submissão sempre foi coisa muito nossa, característica intrínseca, sempre tivemos uma óbvia necessidade de validação, aprovação externa. Somos todos uns zés-ninguéns até alguém de fora nos demonstrar o contrário.

 

A máxima: «se eu não gostar de mim, quem gostará?» nunca funcionou para nós. Acho que somos mais do género: «se ninguém gostar de mim, como eu poderei gostar?»

 

Como é que esta síndrome de inferioridade começou, não faço ideia, qual o seu combustível, as suas motivações, não saberei dizer, mas acho que por estes tempos descobrimos a pólvora. O nosso triste fado já não nos embala como dantes, já não queremos adormecer ao som das nossas lamúrias. Descobrimos uma nova banda sonora.

 

Assim, parece-me que esta euforia coletiva advém da recente descoberta do sabor doce da felicidade, do reconhecimento exterior pela luta, pelo esforço.  Há uma certa estranheza nesta mudança de vítima para herói, há excessos próprios de quem prova e gosta do elixir da vitória. Toda a mudança de paradigma tem alguma convulsão envolvida, é inevitável.

 

Por isso, este assombro, esta quase loucura por Salvador Sobral, pela vitória num mero festival musical marginal, é, acima de tudo, simbólica, muito pouco objetiva. Uma necessidade básica de reconhecimento misturada com a euforia da descoberta do sabor doce da vitória.

 

Não é o Salvador, somos nós.

 

Salvador sobral.jpg

 Momento da vitória da canção portuguesa no Festival da Eurovisão de 2017 (fotografia retirada daqui).