Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Quimeras e Utopias

Quimeras e Utopias

Repete dez vezes: nunca ler os comentários das notícias.

Um atentado no Canadá faz seis mortos. Dois (ou três) homens entraram numa mesquita e atiraram indiscriminadamente sobre as pessoas que estavam no interior. Seis pessoas perderam a vida, o primeiro-ministro canadiano lamenta o ato cobarde e terrorista, dois homens foram presos como presumíveis autores, há a possibilidade de um terceiro ter escapado.

 

Leio a notícia, sentindo o mundo como um lugar estranho, imersa naquele aperto de peito que as mortes evitáveis causam, rodeada pela confusão do não entendimento das razões que levam alguém a causar a morte a pessoas que nem conhece.

 

Inadvertidamente, fui fazendo scroll pela página da notícia e lá estavam… os comentários grosseiros, a psicopatia em forma de palavras, a baixeza do ser humano escarrapachada em dezenas de comentários horríveis. A defesa do ato terrorista, o desejo da morte de todos os muçulmanos mundo afora. E o ridículo dos ridículos — o extremismo das palavras contra aqueles que são apelidados de extremistas.

 

Fechei os olhos e repeti para mim mesma: nunca leias os comentários das notícias, nunca leias os comentários das notícias, nunca leias os comentários das notícias.

 

Aquelas pessoas, que destilam veneno nas caixas de comentários, habitam entre nós, andam por aqui, têm filhos que andam nas escolas dos nossos filhos, vão à missa aos domingos, saem com os amigos em alegres convívios, trabalham entre nós, atendem-nos em serviços públicos, atendem-nos em empresas privadas, votam, conversamos com elas de forma insuspeita.

 

Posso combater esta onda de ignorância? Não me parece.

 

O melhor a fazer é vestir o casaco da ingenuidade, da inocência. Se eu não ler, não me perturba. E assim, posso continuar a fingir que todos nós somos pessoas de boa índole, com empatia pelo sofrimento alheio, conscientes dos males do mundo, pessoas que não estão focadas no seu próprio umbigo e que conseguem ver para além do ódio motivado pelo medo.

 

Assim, repitam dez vezes: nunca ler os comentários das notícias. Nunca ler os comentários das notícias.

38 comentários

Comentar post

Pág. 1/2