Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Quimeras e Utopias

Quimeras e Utopias

Memórias de mar e areia — apetite humano para a destruição

 

Depois de uns dias (semanas) de retiro da blogosfera, aqui estou de regresso. Neste interregno, tempo houve para uns dias de férias em família, idas à praia, leituras relaxadas com grãos de areia a invadirem as páginas de livros, gelados saboreados e outros pequenos prazeres.

 

Destes dias de praia, um momento impeliu-me de regresso à escrita. Na minha cabeça, ainda o momento estava a ser vivenciado e já o texto ganhava formas, mas esta ânsia de fazer brotar em letras as interrogações de um momento veio logo acompanhada da constatação: «Sónia, vives numa eterna lamúria, levas o tempo a queixar-te do mundo, mesmo das pequenas ninharias. Isto é um nada de importância e aqui estás tu, prontinha, para verter letras sobre este nada.»

 

Estando este texto aqui, podeis perceber que a minha auto admoestação de nada valeu. Em jeito de desculpa, digo que as minhas eternas lamúrias se devem à minha interminável fé na capacidade humana. Sabendo-nos capazes de tão belas e inacreditáveis coisas, custa-me perceber como por vezes nos perdemos em coisas tão feias, tão destrutivas.

 

De volta ao mote do texto, estava na praia, a maré baixava lentamente, aumentando o areal e deixando expostas rochas que momentos antes estavam submersas. Em família, caminhámos até aos rochedos expostos, na perspetiva de mostrar ao meu filho a diversidade de animais e plantas que por ali viviam. Pequenos caranguejos, lapas, peixinhos presos em piscinas formadas entre as rochas, minúsculas estrelas do mar, camarões. Todos estes animais tentavam prosseguir a sua vida na maré baixa, alheios aos veraneantes, mas a sua rotina, a cada mudança da maré, era abruptamente cancelada pela chegada do que parecia, ao longe, um quase ataque zombie. Uma horda de crianças e adultos corria para os rochedos de baldes, sacos de plástico e pequenas redes de forma a capturar todo o espécime vivo que por ali andasse. Os baldes e sacos iam-se enchendo de minúsculos caranguejos, de pequenos peixinhos, de camarões quase transparentes e em todos os recantos de rochas e charcos, pais ajudavam os filhos a escarafunchar qualquer pequeno recanto onde «os malandros» dos bichos se pudessem estar a esconder.

 

Eu, o meu marido e o meu filho ficámos de pé a observar aquele frenesim destrutivo. Para nós, sem utensílios de captura, a observação da natureza passou a ser feita em silêncio. Vimos uma pequena estrela do mar, mas entre nós trocamos murmúrios não fosse os zombies das redes nos darem um solavanco de forma a levar a estrelinha para o cativeiro de um balde de brincar.

 

Para a grande maioria das pessoas que estavam naquela praia e em todas as praias onde isto acontece, a captura de pequenos peixes mal nenhum trará ao mundo. E talvez o meu choque pelo comportamento algo predatório das pessoas seja realmente coisa de uma sensibilidade nada ajustada à realidade. Muitos dirão que as crianças querem ver de perto os pequenos animais marinhos e depois de umas horas imersos em água salgada num balde de praia, as próprias crianças devolverão ao mar os animais aprisionados na maré baixa. Tudo isto será porventura verdade. O tamanho dos animais não justifica a captura para fins alimentares, a captura justifica-se meramente pela curiosidade das crianças.

 

Mas será que observar não chega? O meu choque pelos peixes cativos em baldes deveu-se, essencialmente, à constatação da nossa (seres humanos) necessidade de ter, de ver em tudo uma propriedade, de achar que tudo pode ser sujeitado à nossa vontade. Uma relação de fruição, observação, enleio com o meio envolvente não parece chegar, não basta às nossas necessidades. E isso é triste. Triste é também perceber que esse sentimento de posse parece quase intrínseco, natural. Crianças de três ou quatro anos escarafunchavam nas rochas, exigindo o seu troféu marinho. Observar o animal a mover-se no seu habitat era, para aquelas pessoas, insatisfatório. A fugacidade tinha de ser trocada pela permanência, pela posse.

 

Somos capazes de ir à lua, mas temos dificuldades em controlar este nosso apetite de destruição. Somos assim...

3 comentários

Comentar post