Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Quimeras e Utopias

Quimeras e Utopias

Limites do humor ou humor sem limites?

Havendo algum acontecimento chocante no mundo, é certo que aparecerá um tweet ou um post do Rui Sinel de Cordes com alguma piada que gerará discórdia. Esta discórdia vem invariavelmente seguida de um debate sobre os limites do humor. Deverá o humor ter fronteiras ou os humoristas poderão levar a sua forma de expressar humor até onde lhes apetecer?

 

A questão do humor é que apenas pode ser chamado de humor quando o público o entende como tal. Todavia, muitos são os humoristas que ao levarem o humor até ao campo da ironia veem as suas tiradas cómicas serem interpretadas como opiniões, dados factuais e não como tiradas humorísticas. Num mundo perfeito, onde todos os cidadãos são tolerantes, onde não há discriminação, onde as questões de género, orientação sexual, raça e etnia não são notícia, nesse mundo perfeito a ironia de uma piada deste género seria percebida. No entanto, na nossa sociedade, as piadas de Rui Sinel de Cordes parecem apenas homofóbicas, misóginas, machistas, racistas, intolerantes.

 

Rui Sinel de cordes.jpg

 

Eu não penso que este humorista específico seja homofóbico, misógino ou racista, penso apenas que lhe falta ainda alguma capacidade para saber construir piadas irónicas, para saber construir «um boneco humorístico» que seja entendido como tal. Acho mesmo que este senhor deve-se fartar de rir com alguns comentários de seguidores que tomam as suas palavras como um bitaite válido e não como humor, mas talvez ele devesse perceber que se tantas pessoas não percebem a ironia é porque ele não está a fazer o seu trabalho com competência.

 

Lembro o caso do Jovem Conservador de Direita. Ao esticar os conceitos até ao limite, é fácil perceber que este suposto opinador de direita é um personagem de humor que usa a ironia com habilidade. Não digo que no meio de quem o lê não existam umas quantas pessoas que tomam as suas palavras como uma opinião real, mas a grande maioria das pessoas percebe o humor irónico implícito. Com Sinel de Cordes, a dúvida perdura a cada post, a ironia não transparece e no fim ele, com as suas bojardas, parece apenas parvo.

 

Quanto à questão dos limites do humor, mesmo com a falta de habilidade que poderá transformar humor de baixa qualidade em incentivo ao que mais degradante o ser humano pode ter, mesmo assim o humor não pode ter limites. O que também não precisa de ter limites é o bom senso e a racionalidade.

8 comentários

Comentar post