Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Quimeras e Utopias

Quimeras e Utopias

Guerra à masturbação

Os deputados da bancada evangélica, lá por terras dos nossos irmãos brasileiros, são pródigos em ideias peregrinas de alto gabarito, tudo em prol do melhoramento do país, claro está. Combater a corrupção, promover melhorias no sistema de saúde público, desenvolver o deficiente sistema educativo? Não! Bem melhor do que isso é levar a votação uma lei que combata a malfadada punheta.

 

O deputado federal Marcelo Aguiar, antigo cantor e ator, agora deputado, encontrou na pornografia a encarnação de todos os males do mundo. Para grandes males, grandes remédios. Está a desenvolver uma lei que pretende levar a votação a proibição de todos os conteúdos pornográficos na internet. As operadoras, no caso de aprovação da lei, seriam obrigadas a interditar todos os sites ligados a conteúdos pornográficos, para libertarem os cidadãos daquilo que o deputado considera ser um vício crescente. Segundo Marcelo:

 

Estudos atualizados informam um aumento no número de viciados em conteúdo pornográfico e na masturbação devido ao fácil acesso pela internet e à privacidade que celular e tablet proporcionam, os jovens são mais suscetíveis a desenvolver dependência e já estão sendo chamados de autossexuais - pessoas para quem o prazer com sexo solitário é maior do que o proporcionado pelo método, digamos, tradicional.

(excerto retirado desta notícia do DN)

 

Na impossibilidade de controlar todos os atos solitários dos autossexuais (uma pessoa está sempre a aprender coisas novas), o melhor, achou o Marcelo, será combater aquilo que fomenta os atos. A pornografia.

 

Bem, aos amigos brasileiros, sugiro que descarreguem da net a maior quantidade de pornografia possível, armazenem em discos rígidos e rezem para que não aconteça o pior. Nunca se sabe. E mesmo que a coisa em forma de lei passe (pouco provável), o auto prazer continuará disponível (a não ser que inventem um masturbómetro para cada cidadão usar). Se não for com a ajuda da pornografia, a imaginação lá terá de chegar.

16 comentários

Comentar post