Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Quimeras e Utopias

Quimeras e Utopias

Duzentos metros — excerto II

A banheira estava cheia. As manobras para me colocarem lá dentro já iam a meio. Eu estava sentado na beira já com os pés no interior, imersos na água. Ao erguer-me para me transportar para dentro da banheira, a minha mãe deixou-me cair. Tombei abruptamente na água, desamparado. Fiquei de cabeça submergida e as minhas mãos procuravam algo onde me agarrar para conseguir soerguer-me e respirar. Foram apenas segundos, mas na minha cabeça o novelo daquela cena é desenrolado devagar e cada segundo é vivenciado como uma via sacra de aflição. Vejo a minha mãe através do espelho de água, contornos faciais diluídos, debruçada sobre a banheira, sinto a sua mão no meu peito, uma mão pousada que nada faz para me socorrer, antes parece selar aquele encontro acidental com o fundo, com a falta de oxigênio. As minhas mãos esgravatam o ar como aranhas encurraladas, mas quanto mais estrebucho maior a dificuldade em me equilibrar e emergir da água.

 

(em Duzentos metros, Sónia Pereira)